A República Jacarepaguá

A República e sua fundação:

A República Jacarepaguá, originalmente fundada em agosto de 1955 por Arlindo Pinheiro da Silveira, João Paulo Muniz( Caconde ), Valdemar Jensen( Long Play ), Benedito Rodrigues Ferreira( Dito Cambará ), Antônio Augusto de Paula Santos( Toninho Roseira ), João Luiz Morais( Macarrão ), Ágide Gorgatti Neto( Girafa ), Antônio Otávio Jacinto (Bofinho ), João Eugênio Ferreira Neto( Zé Guaiaca ), João Pinheiro da Silveira Filho (João Ligeiro ), Maurício Estelita( Carioca ), Maurílio Junqueira( Véio ), vem ao longo destes anos se destacando no meio esalqueano por suas tradições e glórias. Muitos dos seus "ex-moradores" profissionais que se formaram e deixaram de viver na república, mas fazem parte da família jacarepaguana - engenheiros agrônomos e florestais têm se destacado como excelentes profissionais no âmbito agronômico e florestal dentro e fora do Brasil.

A origem de seu nome:

O primeiro nome pensado para a república que nascia era Jacareacanga, uma região do rio Araguaia onde se refugiava um movimento armado contra o presidente Juscelino Kubitschek. As férias chegaram e dois irmãos, ambos moradores da república ainda sem nome, retornavam de um baile em Pompéia e avistaram na rua a placa de uma casa comercial revendedora de querosenes marca "Jacaré". Como viram que ela estava pensa, e presa por apenas uma das duas correntes, acharam melhor levá-la para um local onde fosse mantida na vertical e melhor cuidada, a república. Com apenas alguns ajustes ela se tornou um símbolo da república que proporcionou alegrias para muitas gerações e só Deus sabe quantas mais ainda terão o privilégio de habitá-la. Como na época era comum as repúblicas terem como nome bairros cariocas, resolveu-se mudar de Jacareacanga para Jacarepagua.

Os símbolos:

Hoje, aos 43 anos, a república ainda conserva um símbolo que ilustra sua origem, uma tampa de um tambor de querosene da marca ESSO, na época chamado " Querosene Jacaré" e que, posteriormente, foi transformada numa placa mantendo o jacaré já desenhado nela acrescido de um "A Encarnado" e escrevendo acima dele "República" e abaixo "Paguá", configurando assim seu nome: República Jacarepaguá fixando-a na fachada da casa.

    Um outro é uma gravura de um jacaré estilizado satirizando um estudante esalqueano, de chapéu, botinas e livros em baixo do braço - pintada em 1957, por Carioca, um dos fundadores da república. Hoje se encontra conservada no centro da parede onde estão afixados os quadrinhos com as fotos dos ex-moradores.

O hino da República:

    No ano de 1980, a torcida da AAALQ ( Associação Atlética Acadêmica "Luiz de Queiróz" ) cantava hinos e gritos de guerra, fazendo com que Paulo Roberto Silva ( Vanusa ) despertasse para a idéia de que a república necessitava de um hino. Após um jogo do inter-repúblicas foi comemorar no CALQ, e no caminho de casa foi criando versos até chegar à poesia que se tornou o hino.

 
Somos jacarepaguanos
O terror da nativada
Veneramos a cerveja
E ralamos a bichada
Nossa tradição é longa
Sempre ao lado de um barril
Quem não estiver conosco
Vá pra P.Q.P.

Para que sempre fosse lembrada a tradição e unidade dos jacarepaguanos, foram criados os "Quadrinhos" com as fotos dos ex-moradores, que as tem datadas da época em que se formaram. Os quadrinhos são feitos para que os atuais moradores tenham conhecimento dos que já passaram pela Gloriosa Jacarepaguá. Para que um ex-morador tenha o privilégio e a honra de ter seu quadrinho é necessário que ele tenha se formado morando na república, ou seja, aqueles que deixaram de morar na Jacarepaguá durante o curso acabam por não ter seu quadro. Deve ser lembrado que todo bicho jacarepaguano tem o dever de saber o nome e apelido de todos os seus Doutores para o Churrasco de Confraternização dos Ex-Moradores no 3° final de semana de agosto.

A República hoje (1998) :

    Atualmente a Jacarépaguá situa-se na Rua Governador Pedro Toledo, 1463 . Moram hoje 11 estudantes do curso de Engenharia Agronômica que tem a missão de manter preservadas todas as tradições jacarepaguanas ao longo da existência da República. Os moradores são: Iogurti (formando); BigBem (formando); Kcueti (formando); Frajola (4oano), Angélico (4o ano),Kzuza (4o ano), Deu-Baxa (4° ano); Vai (2° ano); Pandorga (2o ano); Condenado(1o ano), Bota(1o ano), Arordo(1° ano).
 

A República no tempo dos F-66



<<<<<<<<<< VOLTAR                                                                                                                    SEGUE >>>>>>>>